Espalhe por Whatsapp

O que o Cavs precisa fazer para não deixar a final da NBA terminar hoje

Renato Campos
Renato Campos
Ricardo Romanelli
Ricardo Romanelli

Após ter sido derrotado no jogo três jogando em casa, parecia que o Cavs não teria mais repostas contra o Warriors de Kevin Durant. A sensação de que não teriam condições de reverter a série por um dado histórico de que nunca um time virou uma série após perder três partidas, poderia por um ponto final nas forças do time de LeBron James.

Muito pelo contrário. O Cavs veio com tudo na partida de número quatro e adiou a comemoração do título do Warriors.

Mas o que será que o Cavs precisa fazer para vencer a segunda partida e tornar a série ainda mais emocionante? Reunimos alguns pontos com base no que vimos no último jogo em Cleveland e vamos colocar em questão aqui com vocês. Vamos a eles:

O Cavs jogar com sangue nos olhos

Foi assim que o time de LeBron jogou por toda temporada, e foi assim que eles conquistaram o título da última temporada. Nos primeiros três jogos não se via vibração do time do Cleveland. LeBron por determinadas vezes parecia ter desistido de lutar apesar das boas atuações. E isso não se repetiu no jogo da última sexta. O Cavs precisa aproveitar o seu jogo físico se quiser complicar as coisas para o Warriors. Pra ilustrar o que estamos defedendo, basta lembrar da disputa de bola entre Iman Shumpert e Zaza Pachulia e também o longo "Trash Talk" entre LeBron James e Kevin Durant. Ficou claro que tudo isso incomodou o Warriors.

O Cavs precisa entrar em quadra com atitude no primeiro período

Não vai ser fácil marcar novamente 49 pontos no primeiro período, mas o Cavs precisa entrar no jogo ligado da mesma forma que entrou na sexta-feira. Tyrone Lue precisa dar a missão a seus jogadores de que eles precisam ditar o ritmo desde o primeiro minuto e liderar o placar o quanto antes. Com o Warriors jogando em casa e com uma torcida sedenta por presenciar o título, não seria boa ideia dar a chance de precisar reverter um placar dentro da Oracle Arena.

Kyrie Irving em 'Beast Mode' em cestas de três pontos

As cestas de 3 pontos fizeram a diferença no último jogo e Kyrie Irving precisa estar com a mão calibrada para tal. Se no jogo três o jogador passou em branco errando todos os seus sete arremessos de longa distância, seus sete acertos em 12 arremessos no jogo 4 foram capitais para a vitória do seu time.

Alguém do banco precisa marcar mais de 10 pontos

O banco do Cavs não tem sido muito efetivo nesta série. Apesar do Warriors também não ter tido uma contribuição significante ofensivamente dos seus reservas, em nenhuma partida um jogador do Cavs marcou mais de 10 pontos. Mesmo com os 137 pontos marcados no último jogo, o maior cestinha entre os reservas foi Richard Jefferson com oito, tendo arremessado apenas quatro vezes. Se o time precisa de cestas de três pontos como dissemos anteriormente, Kyle Korver pode diferencial na partida de hoje.

Tristan Thompson dominar o garrafão

Talvez esse seja o ponto mais importante de todos que mencionamos porque requer uma constante durante toda a partida. Tristan Thompson precisa pegar no mínimo 10 rebotes e tentar também ter dígitos duplos em pontuação. Um duplo-duplo pode ser de grande valia para o time do Cavs. No jogo três, a passividade do jogador que saiu zerado em cestas e pegou apenas três rebotes não pode mais acontecer. Apesar de ter marcado apenas cinco pontos na última partida, seus 10 rebotes e cinco assistências foram importantes para colaborar com a vitória do seu time. Se o Cavs adotar novamente a tática dos tiros de três pontos, é melhor Thompson estar bastante ligado na tabela ofensiva.

Mais atuação do treinador nos minutos decisivos

Todos sabemos que LeBron James é quem manda no time, mas Tyronn Lue e sua comissão técnica precisam intervir nos minutos finais de jogos apertados, como foi o jogo 3, por exemplo. O grande diferencial do Warriors em relação ao Cavs está no jogo coletivo, e esse é o principal fator que evidencia o abismo que existe entre Steve Kerr e Lue. O Warriors domina a execução nos instantes finais dos jogos apertados, enquanto que o Cavs parece sempre errar. Talvez intervenções do treinador em momentos difíceis ajudem o time a executar melhor jogadas boladas na beira da quadra, especificamente para aquele momento.

E você? O que acha que o Cavs precisaria para continuar vivo nas finais da NBA? Conta pra gente.

Dá um play e confira o que rola no nosso som!