Espalhe por Whatsapp

Histórias não contadas sobre Kyrie Irving: De sua paixão por musicais até ser uma estrela da NBA

Renato Campos
Renato Campos

Era o primeiro dia de aula para Kyrie Irving. Imagine um menino de 15 anos, caminhando sem rumo pelos corredores da St. Patrick High School em Nova Jersey.

O técnico da escola era Kevin Boyle. Para recepcionar o menino, Boyle escolheu um garoto chamado Chase Plummer que tinha a missão de fazer Kyrie se sentir em casa. Kyrie estava sendo transferido naquele ano e seria de grande ajuda para a escola vencer um título estadual. Mas quando Plummer encontrou Kyrie pela primeira vez, ele não acreditou no que estava vendo.

Kyrie usava um uniforme muito maior do que seu tamanho. As mangas do seu casaco eram tão compridas, que mal se via as mãos do garoto. Em certo momento, Plummer percebeu que Kyrie usava dois relógios G-Shocks no mesmo pulso.

Após a primeira impressão não muito positiva, Plummer levou Irving ao ginásio onde conheceria seus novos companheiros de time.

Ele não tinha barba, era cabeçudo e tinha aparência de um esquilo. Nós o chamávamos de "Squirrel Boy". Christopher Gibson, companheiro de time.

O time parou o treino e foi dar atenção a Plummer que apresentou Kyrie desta forma:

Este é Kyrie. Ele marcou mais de 1.000 pontos na Montclair Kimberley Academy em duas temporadas. Vamos dar às boas-vindas!

Image title

A maioria dos seus novos companheiros encolheu os ombros. St.Patrick era uma das melhores escolas no basquete e na época tinha sido reforçada com o grande talento, e futuro Charlotte Hornet Michael Kidd-Gilchrist e ainda cinco outros futuros jogadores da Divisão 1.

"Quem é você?" Perguntou Gibson. "Como você pode ser realmente bom se nunca ouvimos falar o seu nome antes?"

Depois disso, os times foram divididos em seus clássicos shorts de cor cinza e camisas verdes, os jogadores calçaram seus tênis e foram para a quadra. Durante a pelada, Kyrie se mostrou bastante tímido inicialmente e parecia fugir da bola. Logo depois, como em um passe de mágica, Kyrie dribla seu defensor passando a bola por debaixo de suas pernas, corre para não perder o domínio, e em um jumper indenfensável faz sua primeira cesta.

Foi incrível. Ele fazia jogadas que nunca tinhamos visto antes. Colega de time.

Quando a partida terminou, os jogadores tinham mudado completamente suas posturas em relação ao menino com cara de esquilo.

Ele estava a frente de todos nós mentalmente. Ele foi um divisor de águas para nosso time.

Draft e primeiro treino como profissional

Kyrie foi draftado na primeira escolha do Draft de 2011 pelo Cavs depois de ter jogado apenas 11 partidas pela Universidade de Duke. O jogador chegou em um momento não muito positivo para o time que havia se despedido de LeBron James. Kyrie chegou para ser o novo herói da franquia.

Image title

Samardo Samuels, seu companheiro de time naquela época, disse que durante o primeiro treino de Kyrie com o Cavs, todo mundo, inclusive membros da diretoria, estavam em quadra para ver o novo jogador duelar com os dois armadores mais experientes do elenco: Ramon Sessions e Jannero Pargo.

Se você é um novato, existem algumas maneiras de chegar para o seu primeiro treino. Você pode encarar de forma a conhecer seus novos companheiros, se encaixar no grupo e trabalhar suas habilidades. Ou então você pode entrar no "beast mode". E assim como seu primeiro dia na escola St.Patrick, Kyrie escolheu detonar.

Ele acabou com os caras. Ninguém conseguiu parar Kyrie.

O menino que adorava musicais

Imagine a cena: Era dia de estréia do famoso musical High School Musical estrelado por Zac Efron em 2006. Kyrie era um sênior e tinha um pequeno papel na peça. O elenco, incluindo boa parte do time de basquete, o que é costumeiro acontecer quando as peças são exibidas em escolas, tinha treinado por meses para aquele momento. Apesar da maioria estar ali contra a vontade, Kyrie era o mais empolgado. Levou a sério o seu papel.

Teve um momento que ele percebeu que eu não estava cantando. Kyrie olhou pra mim e fez questão de avisar a professora, que me fez cantar todo resto daquele ato. Seabrook, companheiro de time

Na platéia, tinham cerca de 100 pessoas todas elas sentadas, a maioria amigos e familiares. Quando chegou a hora do solo de Kyrie, ele acabou perdendo o timing. O diretor, desesperado, ordena que ele comece. Envergonhado, Kyrie faz uma pausa e então faz da melhor maneira a sua interpretação. O público foi ao delírio. Foi ali que todos souberam que ele também sabia cantar.

O retorno de LeBron 

Quando LeBron voltou ao Cavs, a liberdade que Kyrie tinha como ponto principal do sistema ofensivo do time aos poucos foi começando a se dissolver. Kyrie precisava desenvolver suas habilidades para se tornar um melhor distribuidor do que pontuador. Houve até quem disse que os dois astros não estavam se dando bem. Após fratura no joelho, o que o deixou de fora das finais em 2015, Kyrie se mudou para Miami para se recuperar.

Ele ficou arrasado com aquela contusão. Ele queria voltar duas vezes melhor. Ele mudou sua dieta e regulou seus padrões de sono. Philemon, melhor amigo.

Então veio a montanha-russa que foi a temporada 2015-16. Mudança de técnico, constante rumores de trocas e seu término de namoro com a pop star Kehlani. Mesmo assim, Kyrie teve a oportunidade de estar com a bola na mão, marcado por Stephen Curry, com menos de um minuto do jogo 7 das finais da NBA.

Ele é um dos melhores arremessadores que já vi jogar em muito tempo. E tem a seu lado LeBron James, que está disposto a sempre colaborar. Richard Jefferson

Se foi por LeBron, uma jogada arquitetada por Ty Lue, ou mesmo por memórias de seu tempo em St. Patricks que o convenceu a fazer o arremesso, Kyrie garantiu o título do seu time. Mas a história não acaba por aí.

Image title

Dois dias depois, Kyrie se sentou a mesa para jantar em sua casa uma noite antes da maior Parada da história de Cleveland. Com ele estavam seu pai, sua irmã e alguns amigos mais próximos. Quando a conversa parou por um momento, ele olhou por volta da mesa, imaginando onde sua mãe poderia estar sentada, e pensou sobre o seu longo caminho que o fez chegar até ali.

Eu quero realmente agradecer a todos vocês pelo apoio que sempre me deram.

Naquele momento, toda tensão daquela jornada estava ali para todos sentirem, junto a toda alegria e satisfação que chegou com a conquista do campeonato.

Neste ano, Kyrie teve médias de 25.2 pontos por jogo, seu recorde pessoal. No dia 19 de Março, contra o Lakers, ele teve uma de suas melhores atuações na carreira marcando 46 pontos de tudo quanto foi jeito. Na noite seguinte, ele comemorava seu aniversário de 25 anos em um clube local com celebridades como Amber Rose e Odell Beckham Jr.

Kyrie Irving nunca esteve tão feliz.


Dá um play e confira o que rola no nosso podcast!