Espalhe por Whatsapp

Como a NBA se incorporou ao DNA do Hip Hop

Thiago Lucas
Thiago Lucas

O movimento Hip Hop nasceu em Nova York em 1973 e permaneceu clandestino até meados dos anos 80, quando grupos como NWA, Beastie Boys e Run DMC começaram a assumir o controle. Em pouco tempo, os rappers estavam referenciando o esporte em suas músicas. Em 1984, era quase impossível ir a um jogo sem ouvir a música "Basketball", de Kurtis Blow. Em 1988, Public Enemy lançou a música "Rebel Without A Pause", que referenciava as dunks de Charles Barkley. Jogadores da NBA estavam começando a se vestir como rappers fora da quadra. Os artistas estavam começando a usar Air Jordans e outros tênis de basquete.

Shaq puxou a fila

Image title

Quando Shaquille O´Neal foi draftado para o Orlando Magic, em 1992, o basquete e o Hip Hop estavam atingindo seu ritmo como sucessos populares. O'Neal não era apenas uma pessoa enorme, mas uma personalidade enorme. Enquanto jogava pela LSU, Shaq impressionou os fãs e recebeu imediatamente o status de superestrela ao entrar na NBA. No meio de sua primeira temporada na liga, Shaquille fez o que nenhum outro jogador da NBA havia feito antes. Ele tentou entrar no jogo do Rap.

A incursão de Shaq na música pode ter parecido um alcance no nível da superfície, mas, na verdade, era bastante orgânica. Durante uma entrevista ao Slam em 2017, Shaq falou sobre como ele está fazendo rap desde os oito anos de idade, influenciado por nomes como Will Smith e Big Daddy Kane. O grandalhão do Orlando Magic acabou ganhando o respeito da comunidade hip hop quando apareceu no The Arsenio Hall Show em 1992 rimando ao lado do grupo Fu-Schnickens. Shaq foi capaz de mostrar sua capacidade de rimar e parecia que ele estava aperfeiçoando sua arte há tanto tempo quanto qualquer outra pessoa no ramo.

Após o sucesso de sua apresentação no Arsenio Hall, Shaq assinou um contrato com a Jive Records. Em 1993, ele lançou seu primeiro álbum, Shaq Diesel. No que diz respeito à produção, Shaq conseguiu trabalhar com Ali Shaheed Muhammad do A Tribe Called Quest, bem como com Meech Wells e Erick Sermon. Wells é famoso por seu trabalho com Snoop Dogg, enquanto Sermon construiu uma carreira trabalhando com artistas como Redman, Jodeci, Method Man, AZ e Jay-Z.

No ano seguinte, O’Neal acompanhou o sucesso de Shaq Diesel com seu segundo álbum Shaq Fu: Da Return. Sermon também foi encarregado da produção deste álbum, enquanto Warren G, RZA e Redman também colaboraram. Em termos de sucesso comercial, o álbum não recebeu os mesmos elogios da crítica que o primeiro, mas ainda ficou em ouro. Shaq continuaria com os lançamentos de You Can’t Stop The Reign em 1996 e Respect em 1998, mas nenhum desses projetos teria o mesmo impacto que seu disco de estreia.

Naquela época, a incursão de Shaq no hip hop era uma espécie de anomalia e as pessoas estavam um pouco céticas em relação a suas intenções. O Rap sempre quis ser autêntico, e ver um jogador da NBA já estabelecido mergulhar no hip hop era chocante, para dizer o mínimo. Independentemente disso, Shaq sempre teve co-sinais daqueles que se destacaram na indústria. Ao reforçar uma quantidade significativa de vendas recordes e ao trabalhar com lendas da indústria, Shaq conseguiu estabelecer as bases para outros jogadores da NBA que tinham ambições artísticas.

Kobe, Iverson e outras experiências

Image title

No final dos anos 90, seria o colega de Shaq, Kobe Bryant, quem daria uma chance ao hip hop. Infelizmente para Kobe, sua carreira no rap não foi tão lucrativa quanto a de Shaq. Em 1992, Bryant frequentou o ensino médio em Lower Merion aos 14 anos. Segundo o blog Grantland, Bryant conheceu um garoto chamado Anthony Bannister que o apresentou a Kevin "Sandman" Sanchez. Sanchez era visto como o melhor rapper da escola e eles rapidamente formaram um grupo de rap chamado CHEIZAW, que apresentava outros dois MCs, Broady Boy e Jester. O grupo ficou juntos após o colegial e depois de ouvir Bryant em uma sessão de estúdio, a Sony assinou um contrato com o CHEIZAW em 1998. Durante o verão de 98, Bryant ficou na casa de Steve Stoute, presidente da Urban Music, em Nova York. Kobe estava em Nova York para treinar para a próxima temporada e, como Stoute queria que ele aperfeiçoasse seu ofício artístico, fazia sentido para eles ficarem juntos. “Durante a primeira ou a segunda temporada, foi quando percebi que ele é a pessoa mais trabalhadora que já conheci, de longe, por causa de seu esforço incansável. Ele queria ser um bom rapper, isso importava para ele." disse Stoute.

A primeira faixa de Kobe, lançada em 1998, foi um remix da música de Brian McKnight "Hold Me". A música chegou ao nº 35 na parada Hot 100 da Billboard e essencialmente deu um salto na carreira de Bryant. Após o sucesso da música, a Sony decidiu seguir em frente com um álbum. No melhor estilo mamba mentality, Kobe estava no estúdio por horas seguidas, escrevendo e reescrevendo músicas com perfeccionismo incansável. Seu grupo esteve com ele durante todo o processo, pois havia toda a intenção do projeto de ser um álbum do CHEIZAW. A dedicação de Kobe à música era admirável, pois ele também estava entrando em sua terceira temporada ao mesmo tempo. Vale a pena notar que a música não afetou os números de Kobe - ele completou sua melhor temporada em estatística até aquele momento.

Discutindo a breve carreira no rap do lendário jogador da NBA, Stoute lembra como Kobe era apaixonado pela música, levando a grandes expectativas para o primeiro álbum. Apesar da empolgação que crescia, havia um drama infeliz no horizonte que acabaria por significar o fim dos sonhos no hip hop de Kobe. Bryant se separou do CHEIZAW em novembro de 1999, antes que eles tivessem a chance de lançar uma estreia adequada. Segundo Stoute, foi porque os membros do grupo não estavam trabalhando o suficiente. No entanto, existe uma versão que afirma que foi porque a gravadora queria que eles adotassem um som pop que fosse contra as sensibilidades líricas do grupo. Essa briga permitiu a Kobe abraçar completamente seu papel como artista solo. Quanto ao grupo, eles desapareceram quando ficou claro que nem a Sony nem Bryant os queriam a bordo.

O álbum solo de Kobe Bryant nunca foi lançado. Um single com Tyra Banks chamado "K.O.B.E" estreou em janeiro de 2000. Bryant tocou no mesmo mês no All-Star Game da NBA de 2000. Os vocais avassaladores de Banks, assim como o terno de couro de Bryant e o chapéu com estampa de oncinha, levaram a uma performance desastrosa que fez os fãs da NBA recuarem ao vê-lo. O videoclipe gravado por Hype Williams foi descartado e Kobe decidiu criar um link com Broady Boy do CHEIZAW. Nesse mesmo ano, o álbum de Bryant foi colocado na geladeira e ele foi descartado pela gravadora. "Acho que escolhemos o primeiro single errado", lembrou Stoute. "Ele passou pelo processo e tentou muito [...] eu acho que ele tomou a decisão certa."

As coisas não estavam ruins para Bryant. Nesse mesmo ano, ele ganhou seu primeiro título da NBA e ganhou mais quatro. Curiosamente, ele ganhou três desses campeonatos com Shaq - o que só mostra que suas personalidades de rapper nunca interferiram em suas jogadas na quadra.

Após a curta carreira de Kobe, Allen Iverson começou a rimar com o nome de Jewelz durante a offseason de 2000. Stoute, que também estava por perto, afirma que Iverson poderia ter sido um grande sucesso se não fosse pela condenação da NBA para sua primeira música "40 Bars". Iverson era visto como alguém que poderia assumir o trono deixado por Shaq e acabou assinando com a Universal Records. Apesar disso, ele foi criticado por usar linguagem misógina e homofóbica, incluindo letras como: “Get murdered in a second in the first degree / Come to me with f***** tendencies / You'll be sleeping where the maggots be.” (Que traduzindo seria basicamente: “Seja assassinado em um segundo no primeiro grau / Venha para mim com tendências de merda / Você estará dormindo onde estão as larvas”).

Image title

Sua música chamou a atenção do comissário da NBA David Stern, que rapidamente emitiu uma declaração dizendo: "As letras que foram atribuídas ao CD de rap de Allen Iverson, que será lançado em breve, são grosseiras, ofensivas e anti-sociais". Até ameaçou expulsar Iverson completamente da liga. Enquanto a ameaça de expulsão da NBA pairava sobre sua cabeça, Iverson descartou a música em que estava trabalhando e o álbum nunca foi concretizado.

O sucesso de Shaq permitiu que ele tivesse alguma credibilidade no Hip Hop. No entanto, as carreiras de rap de Kobe e Iverson mudaram completamente a narrativa quando se tratava de atletas fazendo música. Agora, qualquer jogador que entrasse no espaço arriscava ser visto como uma novidade ou, simplesmente, brega. Graças a esse estigma, levaria muito tempo antes que víssemos outro jogador da NBA tentando mergulhar no gênero.

Depois de um período de seca que atingiu o meio do final dos anos 2000, Stephen Jackson lançou uma mixtape em 2012 chamada What's A Lockout. Como muitos fãs de basquete lembram, a temporada de 2011-12 foi interrompida graças a uma longa e extenuante negociação coletiva de acordos, que fez com que alguns jogadores se perguntassem quando voltariam à quadra. Isso levou Jackson a entrar no estúdio e se expressar longe das luzes brilhantes da NBA.

Jackson imediatamente procurou maneiras de fazer seu projeto se destacar e isso o levou a contratar ninguém menos que DJ Scream para a produção da mixtape. Scream já havia construído um relacionamento com Jackson e sabia que seus raps de alto calibre surpreenderiam os fãs que não o conheciam melhor. Uma vez que eles começaram a trabalhar na música, Scream sentiu que seria especial, pois Jackson veio com a fome de alguém tentando provar a si próprio e para o mundo.

Segundo DJ Scream, a estrela da NBA não parecia muito preocupada com o que seria a recepção e, com certeza, sua música foi recebida de braços abertos. Os fãs começaram a clamar por mais projetos depois de perceberem o quão talentoso Jackson era como MC. Scream diz que não ficou necessariamente surpreso com a recepção da música, embora tenha sido ótimo ver as pessoas dando uma chance a Jackson. "Quando ele conseguiu algum tempo livre no basquete, ele gravou outra mixtape", disse Scream.

A Era de Ouro dos jogadores no Hip Hop?

Image title

Com Jackson revitalizando a economia rapper da NBA, mais atletas começaram a fazer música. Entre os exemplos mais destacados, Lou Williams lançou o projeto The Album That Never Was em 2017. Williams conseguiu que Jahlil Beats e Honorable C-Note produzissem para ele. O sexto homem do ano imediatamente impressionou seus produtores, incluindo C-Note, que o considerava digno de suas melhores batidas.

A mania de rappers da NBA aparentemente atingiu um novo pico em 2017, depois que uma matéria da revista XXL foi aprofundada em uma sessão de gravação secreta que LeBron James e Kevin Durant tiveram durante o lockout de 2011. Essa história chamou a atenção do produtor / engenheiro Franky Wahoo, que trabalhou nos estúdios da Spider em Canton, Ohio. De acordo com uma entrevista que Wahoo concedeu a Vice, ele esteve presente durante a sessão de gravação e ficou surpreso ao descobrir que as pessoas sabiam disso. Durante as finais da NBA de 2017, Wahoo foi ao Twitter e lançou um trecho de 30 segundos da música de LeBron e KD, "It Ain't Easy", que foi gravada durante a mesma sessão. Wahoo prometeu que, se conseguisse 1 milhão de retweets, soltaria a música completa. O objetivo do retweet provou ser um pouco alto demais. Ele nunca chegou lá, embora outras oportunidades para soltar a música tenham surgido.

O TMZ ofereceu dinheiro pela música, enquanto o agente de LeBron, Rich Paul, sugeriu que ela poderia ser usada para o NBA 2K19. Wahoo nunca aceitou nenhuma dessas ofertas e demos não creditadas da música acabaram chegando ao rádio. Isso forçou o DJ a lançar a música oficial no SoundCloud sem nenhuma promoção. “A pior coisa que poderia acontecer é que o [agente de James] Paul poderia derrubar a música".

A música se tornou uma sensação menor, com os fãs se perguntando se James ou KD continuariam a explorar suas proezas musicais. No final, nenhum jogador deu muito reconhecimento à música, mas os fãs que a cercavam demonstravam um apetite real por mais músicas de algumas das maiores estrelas da liga.

Com isso em mente, parece haver um jogador em particular que mudou completamente a narrativa no que diz respeito à viabilidade dos atletas no espaço do hip hop. Esse homem é Damian Lillard, do Portland Trailblazers, que usa o apelido de Dame D.O.L.L.A. Ao contrário de Shaq e Kobe, os fãs conseguiram separar Damien Lillard, o jogador de basquete, e Dame D.O.L.L.A, o rapper. Essa distinção leva à ideia de que as atitudes estão mudando em relação aos atletas que fazem música.

Dame primeiro chamou a atenção dos fãs de Hip Hop com sua série “Four-Bar Friday” no SoundCloud. Em 2015, Lillard foi ao programa de rádio Sway In The Morning e fez um freestyle impressionante, que imediatamente deixou seus ouvintes clamando por um álbum. Um ano depois, Dame cumpriria essa promessa com seu projeto de estreia, The Letter O. O álbum contou com a participação de Lil Wayne, Jamie Foxx, Raphael Saadiq, e demonstrou a capacidade de Lillard de criar músicas. Mais uma vez, os fãs ficaram pedindo mais e um ano depois foi lançado Confirmed.

Lillard foi além do que você esperaria de um atleta que também atua como rapper. Em novembro de 2016, ele criou sua própria gravadora chamada Front Page Music, onde contratou dois artistas: Danny From Sobrante e Brookfield Duece. A dedicação de Dame ao ofício é evidente. Enquanto alguns fazem isso pelo visual ou pela exposição, ele diz que faz isso porque adora e, no final do dia, quer o respeito de seus contemporâneos.

"Eu lancei dois álbuns. Eu fiz colaborações. Eu tenho grandes artistas em todas as minhas músicas. Eu tomei todas as medidas para ser respeitado como rapper. Tomei todas as medidas necessárias para ser respeitado como artista." - Damian Lillard.

Essa fome artística levou outros rappers da NBA a conquistar seu trono. O jovem do Sacramento Kings, Marvin Bagley, desafiou Dame com uma faixa diss (Diss = Disrespect, no rap a diss é qualquer ataque a um outro mc numa rima ou num verso). Lillard respondeu imediatamente com uma música sua, chamada "MARVINNNNNNNN ???".

Alguns meses após a treta com Bagley, Lillard se viu envolvido em mais uma batalha. Desta vez, Lillard estava enfrentando o Old Gangsta da comunidade de Rap da NBA, Shaq. Durante uma aparição no The Joe Budden Podcast, Lillard fez alguns comentários combativos sobre Shaq e até perpetuou alguns dos estereótipos que assolaram o início da incursão de Shaq no hip hop. Dame afirmou que ele era um rapper melhor do que o quatro vezes campeão da NBA e disse que, embora Shaq pudesse fazer rap, a maioria das pessoas o via como um jogador de basquete que fazia música - e não como um MC genuíno.

Mesmo se você concorda com Lillard, não há como negar a influência de Shaq na cultura. Simplificando, sem Shaq, não há Dame D.O.L.L.A.

“Shaq abriu o caminho para todo jogador da NBA [fazer rap]. Todo mundo pensou que poderia fazer o que ele fez, mas ninguém conseguiu ser tão bem sucedido” - Erick Sermon.

Sermon reconheceu que Dame é um dos poucos que seguiram na estrada pavimentada por Shaq nos anos 90. "Há apenas um [jogador da NBA] que está fazendo rap [agora] e esse é Dame Lillard. Por acaso é aquele com o qual Shaq está tretando'(risos). Mas Dame é o único que está levando isso a sério, que eu conheço.

Durante anos, os jogadores da NBA que tentavam se destacar no jogo do rap foram evitados e encarados como um artifício. Atualmente nos debates sobre Rap tem pessoas falando sobre Shaq e Dame como se fossem artistas legítimos, o que, é claro, sempre foram. A única diferença é que agora eles estão sendo reconhecidos como tal. Se Shaq estabeleceu o precedente com seu álbum de estreia, Lillard estabeleceu o padrão.

Image title

Dá um play e confira o que rola no nosso podcast!